Palavras de Jesus para esta hora

20150709_151922
Sala de Oração
agosto 26, 2016
pregar
Cinco Lições Para Pregadores Pelo Príncipe dos Pregadores, por Tom Ascol
setembro 12, 2016
Mostrar Tudo

Palavras de Jesus para esta hora

fim-do-mundo

Por Mark Bubeck

Quando eu era bem jovem, o Senhor me deu o encargo de orar por avivamento e, por mais de cinquenta anos [em 2000], esse compromisso tem permanecido firme sobre meus ombros. Nem sempre consegui me manter encorajado nesse propósito, mas uma das maneiras que o Senhor usou para levantar meu espírito em momentos de desalento tem sido mostrar-me referências a avivamento em passagens bíblicas que nunca havia notado antes.

Eu creio que o avivamento está chegando! Avivamento é um acontecimento muito soberano. Depende totalmente de Deus e totalmente de sua graça. Ao mesmo tempo, tem tudo a ver com o homem. Envolve interação humana e traz mudanças fortes a vidas e sociedades. Cresce e se espalha em ondas de transformação humana e gera transbordamento de alegria, tal como sucedeu no Pentecostes. Creio que é isso que caracterizará a obra que Deus fará nos nossos dias antes da volta do Senhor.

Estou convencido de que as palavras que nosso Senhor Jesus Cristo ordenou que se escrevesse para a igreja em Laodiceia (Ap 3.14-22) constituem uma das maiores promessas de avivamento que temos na Palavra de Deus. A maioria de nós nunca leu essa passagem com tal perspectiva. Eu também não a li assim por muitos anos, até que Deus tirou as vendas que distorciam minha visão e me mostrou o que ele realmente quis dizer. A carta tem tudo a ver com a oferta do Senhor de enviar um avivamento para a igreja de Laodiceia. Eu entendo que foram palavras de avivamento para uma igreja muito fraca e corrupta, um corpo de crentes espiritualmente aleijado.

Como você sabe, há diferentes maneiras de se olhar para as sete igrejas. A primeira, e mais óbvia, é considerá-las igrejas reais e históricas que existiam quando o Senhor literalmente ditou suas palavras a João para ser enviadas a elas. Eram igrejas no sentido mais literal possível.

Outros as têm visto como representantes de toda a Cristandade em qualquer período da História. Podemos encontrar todas essas igrejas no mundo hoje. Tenho visitado igrejas que são como a de Éfeso, que perderam o seu primeiro amor, ou como a de Filadélfia, onde Deus estava operando maravilhosamente e as pessoas estavam sendo milagrosamente transformadas.

Contudo, acredito que a característica predominante de todas as igrejas hoje é aquela que existia na igreja de Laodiceia. Tenho viajado por muitas partes do mundo e no meu país e, embora eu não queira, de coração, ser crítico, preciso declarar aqui, sem rodeios: eu nunca vi tanta apatia, tanta carnalidade, tanto mundanismo e tanta impotência como nas igrejas hoje.

Esta é uma terceira maneira de olhar para estas cartas do Apocalipse – ver a igreja de Laodiceia como uma visão profética de como a Igreja, em sua presença visível, será no fim dos tempos. Sem forçar muito, acredito que é uma maneira legítima de olhar para ela. Vejamos o que Jesus disse para a igreja dos laodicenses, lembrando da perspectiva de que, em última análise, ele está lhe oferecendo uma promessa de avivamento.

Palavras competentes

Em primeiro lugar, considere o fato de que suas palavras são palavras competentes.Jesus tem credenciais competentes de caráter para dizer o que vai dizer.

Ao anjo [ao mensageiro] da igreja em Laodiceia escreve: Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus; Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca. (Ap 3.14-16).

Jesus é competente no seu caráter porque é o “Amém”. Como isso é precioso e significativo! Ele é aquele que diz “assim seja”. Ele faz acontecer. Além disso, ele é a“testemunha fiel e verdadeira”. Você pode confiar no que diz porque ele é fiel mesmo quando não o somos. Ele não somente diz a verdade; ele é a Verdade.

Um pouco adiante, lemos que ele é “o princípio da criação”. Ele é o autor dela. Ela não poderia se manter em funcionamento sem ele – o que inclui tudo o que está ao nosso redor (as árvores, o firmamento, os céus…) e tudo o que está dentro de nós. Ele conhece você, pois foi ele quem o fez; é ele também que o mantém em vida. Ele conhece cada batimento do coração, cada contração muscular. Ele é o Criador.

Ele é competente, também, em sua onisciência. Observe que diz: “Conheço….” Ah, como é precioso saber disso! Há muitas pessoas que pensamos conhecer mas que não conhecemos de verdade. Vivo com minha esposa Anita há mais de cinquenta anos e penso que a conheço melhor do que qualquer outra pessoa no mundo; apesar disso, de vez em quando, fico espantado com algo que ela faz e percebo que realmente não a conhecia tanto quanto pensava. Somente o Senhor nos conhece de fato. Ele conhece os nossos pensamentos. Conhece até as intenções secretas por trás dos pensamentos do coração. Por isso, ele é competente quando fala porque é onisciente.

Ele diz: “Conheço as tuas obras”. Eu sei o que estás fazendo e sei que não és “nem frio nem quente”. Eu gostaria que fosses um ou outro, “quente ou frio”. Sabemos o que é ser quente. É quando alguém é fervoroso para servir ao Senhor. E sabemos muito bem o que é frio. É quando alguém está desligado e começa a andar no sentido contrário. O Senhor prefere que sejamos um ou outro. Ele até prefere que sejamos frios porque quando ele disciplina uma pessoa que já foi cristã, que conhece a graça, ela reconhece que a disciplina veio da mão de Deus.

Por outro lado, quando vem a disciplina para alguém que está morno, que frequenta a igreja todos os domingos e talvez seja até um professor na Escola Dominical ou cante no coral, ele diz: “O que é isso, meu Deus? Por que estás fazendo isso comigo?”. Ele não consegue entender o recado; não responde. Então o Senhor diz: “Eu queria que fosses frio ou quente. Sei bem o que tu és”.

Palavras confrontadoras

Em seguida, Jesus nos dá algumas palavras confrontadoras que são tremendamente importantes:

Pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu… (Ap 3.17).

Observe que ele contradiz a condição percebida por nós a respeito de nós mesmos. Leia estas palavras novamente: “Pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma…” Que descrição perfeita de quem se considera um cristão próspero! Fazemos planos para aposentadoria e investimentos; temos nossos automóveis; marcamos horário no salão de beleza; possuímos o último modelo de aparelho de TV, computador, celular; estamos cada vez mais escravizados pelo materialismo. É a praga do Corpo de Cristo hoje.

A nossa condição é exatamente oposta àquela que imaginamos ser nossa. Achamos que não temos necessidade de nada, porém ele nos confronta com o diagnóstico verdadeiro. O seu diagnóstico real é: “tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu”.

Quando eu leio essas palavras, vejo uma pessoa sem teto toda curvada, com muito pouca roupa, tremendo, derrotada, sem nenhuma segurança, mas que pensa estar bem simplesmente porque tem o suficiente para comer. Não tem onde morar, mas dorme numa caixa de papelão em qualquer lugar em que esteja. De acordo com Jesus, é exatamente essa a nossa condição espiritual.

O Corpo de Cristo existe para glorificar a Deus e reivindicar o senhorio de Jesus Cristo sobre a humanidade perdida. Infelizmente, nosso Senhor visualiza o trabalho de cristãos mornos (nós??!) como sendo feito por pessoas miseráveis, pobres, cegas e nuas. Antes que você se ponha na defensiva, lembre-se de quem está falando. É o Senhor Jesus. Ele nos conhece! Ele conhece a situação real!

Uma palavra de conselho

Chegamos, agora, à palavra de conselho que Jesus tem para nós. Gosto muito disso porque uma das maiores qualidades das Escrituras é a dignidade que o Senhor sempre nos confere ao se dirigir a nós. Ele não se impõe, como é o método de Satanás e do seu reino. Ele só vem para ministrar e trazer direção com a nossa permissão e o nosso convite. Ele não se dirige a nós em tom de exigência. Sem dúvida, ele revelou sua autoridade divina na dispensação da lei, mas o objetivo sempre foi nos conduzir à graça, na qual, em vez de exigir, ele aconselha. Ele é um conselheiro fantástico. Jamais houve outro conselheiro igual.

Veja seu conselho:

Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas (Ap 3.18).

“Compra de mim…” Isso traz simbolismo apocalíptico. Não tenho certeza de tudo o que significa. Sabemos que “ouro” simboliza verdadeiras riquezas espirituais. Quando você tem esse tipo de riqueza, ao qual Paulo se refere em Efésios (1.7,18; 2.7; 3.8,16), você é realmente rico. Jesus fala, também, de roupas brancas, que sempre se relacionam com limpeza e pureza moral. Não vemos muitas vestes brancas em nossas igrejas hoje. A necessidade de adquirir roupas adequadas nos faz pensar na nossa insuficiência.

Lembre-se, amigo, o mundo em que vivemos é o mundo pelo qual somos responsáveis. Todas essas coisas que estão acontecendo lá fora aconteceram durante o nosso “turno”. O assassinato de fetos, a violência desenfreada, as drogas, a imoralidade, a zombaria de Deus por autoridades e governantes… A vergonha da nossa nudez está exposta diante de todos.

Jesus nos aconselha a pingar colírio nos olhos para que vejamos com os olhos de Deus – e tenhamos a sabedoria dele.

Portanto, seu conselho é: “Comprem de mim”. Agora, sei que você está pensando: Como é que eu faço isto?”.

Em casos como este, a Bíblia sempre interpreta a si mesma. Como se faz para comprar um bem espiritual? Isaias 55.1 revela o segredo: “Ah! Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas; e vós, os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite”.

O que Deus está dizendo é “Vindevindevinde”. O lugar de oração por avivamento é onde as pessoas não param quando o avivamento não vem na hora que pensam que deveria vir. Nós simplesmente chegamos e continuamos vindo porque sabemos que é a vontade de Deus Pai e Deus Filho e Deus Espírito Santo. É nossa responsabilidade crer nele em favor disso. Assim, somos coerentes e perseveramos em vir diante dele em oração, dia após dia, para “comprar” dele.

Na sequência, o texto em Isaías 55 fala sobre a necessidade de ouvir. “Ouvi-me atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares. Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá” (vv.2,3).

Portanto, para “comprar” de Deus, você não só precisa vir a ele em oração, mas também escutar. Você escuta saturando seu coração com a Palavra, ouvindo ensinamentos de pastores e ministros ungidos por Deus e ouvindo diretamente de Deus. Para comprar, você precisa ouvir.

“Eis que eu o dei por testemunho aos povos, como príncipe e governador dos povos”(v.4). Na minha Bíblia, grifei as palavras “eis” e “o”, porque é uma promessa messiânica. Um fator essencial para comprar é ver no Senhor Jesus a única resposta. É por isso que você vai a ele e volta e continua voltando. Você percebe que ele é a solução. Ele é a única resposta.

No versículo sete, Deus começa a falar sobre arrependimento, uma vida transformada, obediência e abandono do pecado: Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (vv.7-9).

Finalmente, começando com o versículo 10 até o fim do capítulo, temos uma descrição de avivamento. Porque, assim como descem a chuva e a neve dos céus e para lá não tornam, sem que primeiro reguem a terra, e a fecundem, e a façam brotar, para dar semente ao semeador e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei. Saireis com alegria e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cânticos diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas. Em lugar do espinheiro, crescerá o cipreste, e em lugar da sarça crescerá a murta; e será isto glória para o Senhor e memorial eterno, que jamais será extinto” (vv.10-13).

Quando você compra assim, vindo incessantemente diante do Senhor, procurando ouvir a sua voz, logo você o verá e começará a se arrepender. Esse avivamento que estamos esperando certamente virá. Eu não sei quando, mas um dia Deus enviará a visitação pela qual seu povo tanto tem clamado. Deus o fará porque temos comprado dele, estamos fielmente comprando.

Uma palavra de correção

Jesus também deu uma palavra de correção para essa igreja. Observe em Apocalipse 3.19: “Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te”. Deseje o seu amor, mas saiba para onde isso o poderá levar: “Eu repreendo e disciplino”. Deus precisa retirar de nós toda a escória – e certamente ele o fará. “Sê, pois, zeloso e arrepende-te.” Isso significa obediência radical ligada a arrependimento. Arrependimento não é somente admitir o erro; é corrigi-lo. É deixar que Deus corrija os erros na nossa vida.

Uma palavra de consolo

Depois da palavra de correção, Jesus deu uma palavra de consolo, e isso é muito lindo. Que Deus queime essa palavra dentro do nosso coração. Observe o versículo vinte: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. Outra tradução diz: “Aqui estou”, o que é mais fiel ao grego. Este é o Senhor Jesus. “Aqui estou.” Ele está pronto.

Observe que ele não somente oferece a si mesmo. Ele nos consola com uma oferta persistente. Ele diz: Eis que estou à porta”; e ele não somente está ali esperando do lado de fora, mas está dizendo algo: “Se alguém ouvir a minha voz”. Ele chama: Marcos; João; Maria! Ele é tão íntimo, tão maravilhosamente pessoal. “Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta…” O Senhor Jesus está esperando que você diga: “Senhor Jesus, preciso muito que entres na minha vida!”.

Ele também está esperando que você diga: “Senhor Jesus, preciso que venhas à minha igreja. Quero que venhas para todo o Corpo de Cristo. Estou te convidando para fazer isso. Quero que venhas”. Isso é avivamento. É a proximidade da presença de Cristo. Quando ele se aproxima, ninguém consegue permanecer de pé. Ele é o Senhor!

É nesse ponto que somos consolados por uma oferta preciosa: “Entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. Isso sim é avivamento! Oh, queridos amigos, é o próprio Senhor Jesus que disse essas palavras! Ele está esperando que compremos o que nos falta. Está esperando que você ouça sua voz e o convide a entrar, não com um convite formal, mas que o convide de coração. Tem de ser um convite persistente, insistente, consistente. Um convite de quem não vai desistir.

Uma palavra de coroação

Em seguida, Jesus tem uma palavra de coroação para nós. Observe o versículo 21. É uma palavra tão graciosa que fico quase sem palavras. Ele diz: Ao vencedor”– ou seja, àquele que compra dele –“dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono”. Ele preparou um lugar de honra especial para as pessoas que estão comprando e vencendo.

Querido amigo, nunca pense, nem por um momento sequer, que quando você responde ao chamado do seu Senhor ele fica em débito com você. Não, ele não fica. Você pode não obter a recompensa esperada até chegar na glória, mas quando chegar lá, seu galardão estará ali o aguardando. Haverá diferentes níveis de recompensa, mas parece que uma das mais nobres será para aqueles que ouviram o que ele disse para sua igreja: “Se você abrir a porta, se ouvir a minha voz, se comprar de mim, terei um lugar para você bem ao meu lado nas glórias divinas”.

Uma palavra de consequência

Finalmente, Jesus deixou para nós uma palavra de consequência. Ele disse: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”. Você pode ouvir ou não ouvir. Você pode comprar ou não comprar. Ele não vai coagi-lo. Ele somente o convidará. Ele espera que você responda. Será que você o está ouvindo hoje? Eu quero ouvi-lo. Acredito que esta é a hora de ouvir sua voz.

Ore detalhadamente, ponto por ponto, de acordo com o que está ouvindo do Senhor. Abra sua Bíblia nesta passagem de Apocalipse 3. Eu o tenho feito inúmeras vezes. Tenho orado esse texto de volta para o Senhor. É uma passagem muito boa para usar como confissão. Confesse o quanto seu sistema de valores está avariado, e como não consegue entender a extensão de sua pobreza e miséria. Admita-o. Venha e compre! Deus está esperando. Ele está batendo à porta, chamando-o pelo nome. À medida que você se inclina, ore por aquilo que está ouvindo de Deus. Ele ouvirá o seu coração.

Adaptado de uma mensagem dada na Conferência Heart-Cry for Revival 2000 (Clamor de coração por avivamento) perto de Asheville, Carolina do Norte, EUA. Usado com permissão. Publicado originalmente na edição de abril de 2001 do jornal Herald of His Coming (O Arauto da Sua Vinda).

1 Comentário

  1. Áureo Farias disse:

    Profundo, vivificante.. Agóra que entendi esta passagem … “Vinde, compre sem dinheiro” …
    Paz.